domingo, 6 de maio de 2007

Eleições na França

Dentro de pouco menos de 2 horas e meia conheceremos o novo presidente da França.
Por tudo o que tenho lido e visto por ai', acho que o Sarkozy sera' eleito. Não foi meu candidato, votei na Ségolène.
Tenho a impressão que muitas pessoas que votam nele neste momento guardaram na mente sua tirada de lavar os "racailles" (jovens delinquentes) com um karcher (aquelas maquinas industriais de lavagem de fachadas por exemplo).
Pensam nisto, mas esquecem um outro lado da politica dele.
Muitos brasileiros que conheço (não moradores da França nem franceses) pensam que devemos votar na direita pois a esquerda é uma bosta. Pois o Brasil esta' com problemas.
Certo. Mas o Brasil também tinha problemas graves com a direita no poder, ou não tinha?

Votar à direita aqui, hoje? O ministro o qual a politica desencadeou aquela espécia de luta urbana em 2005 é este candidato à presidência. Em seu plano de governo, as taxas nos produtos (que chamamos TVA) vão aumentar. A lei trabalhista atual é de semana de 35 horas. Ele quer acabar com isso, para que quem quer trabalhar mais possa, mas sem ter aumento, claro. MAs é o ptrão que decide que vc pode trabalhar, se vc sentir vontade de trabalhar mais para ganhar mais, não podera', pois não é o trabalhador quem decide.

Os sindicatos de varios organismos ja' avisaram que se ele ganhar ja' vao fazer uma greve basica para mostrar que não estão contentes, em previsão do que ele vai fazer.
Nos, eu e muitas outras pessoas, estamos um pouco com medo hoje: fomos votar e voltamos correndo para casa, pois se ele ganhar, os suburbios devem queimar de novo. Temos o receio de que as coisas comecem hoje à noite, até o governo pensa que algo pode acontecer hoje: o "dispositivo" policial organizado para hoje à noite lembra mais um noite de réveillon, ou de final de Copa do Mundo do que de eleiçoes presidenciais, onde meade de um pais deveria estar feliz e nao com medo das eleições!!

E' o que digo, o importante é votar, mesmo que não sejamos da mesma familia politica. Mas não venham reclamar do candidato que você levou ao poder - francês é especialista disso!

Estamos saindo de 12 anos de direita, onde os salarios aumentavam 1,5 % ao ano e a inflaçao era de 2, 2,5%. Onde a empresa estatal de luz e gas, fizeram beneficios no ultimos ano de 10-15% e onde as contas de luz e gas aumentaram em dois anos quase 30%.
Ele não é contra uma participação da França numa guerra no Oriente médio, ele conversou varias vezes com o Bushildo.

Olala'!
Posso continuar escrevendo durante horas, por muitas paginas. Acho que ele vai ganhar, não votei nele, votei nela.
Parece que é ele mesmo que vai ganhar. Acho que boa coisa não vai ser. Mas, também posso estar errada.
Gostaria de estar errada.

3 comentários:

Teresa disse...

Pô, até eu que não voto, chorei ontem (tá bem, tô chorando à toa). Que tristeza!!! E tb tô com medo.

Jussara disse...

Eu fiz esforço para não chorar. Uma amiga austraica tb chorou quando soube do resultado.
Fiquei com medo tb quando ele pronunciou o discurso em seu QG quando disse "nossos amigos os americanos" e quando falou sobre o véu muçulmano. Pensei logo no refém francês no Afeganistão. E as palavras dele "autoridade, respeito, nenhuma renuncia, firmeza" e o que ele falou durante a campanha, "França ame-a ou deixe-a", me lembrou o Brasil nos anos 60-70...

Jorge disse...

Pelo menos na parte do candidato que ganhou, você acertou. Quanto ao resto a ver vamos.